Práticas simples para tornar o mercado mais inclusivo

Tempo de leitura: 3 minutos

Tanto as empresas quanto os consumidores têm poder para tornar o mercado de trabalho um ambiente mais inclusivo, algumas práticas simples podem ajudar a abrir as portas para as pessoas com deficiência.
Na imagem, tres modelos aparecem posando com roupas diferentes, uma negra com vestido preto, uma cadeirante de rodas com blusa preta e saia florida e outra mulher negra com vestido florido. Práticas que tornam o mercado mais inclusivo

A batalha pela inclusão é diária e envolve desde a conscientização de pessoas, a exigência de ações governamentais em prol da causa, cobrança de práticas inclusivas nas empresas e muito mais.

Nesse ano, veio à tona a notícia de que uma rede de lojas mantinha alguns imigrantes bolivianos trabalhando em regime análogo à escravidão. Vendendo peças com valor em torno de R$638,00 e repassando para os costureiros apenas R$5,00.

Esse caso deu ainda mais proporção à tag #quemfazminhasroupas, levando dezenas de consumidores a questionarem as lojas onde consomem, pelas redes sociais.

Por consequência, mais lojas precisaram se posicionar e mudar suas práticas.

Mas o que isso tem a ver com as mudanças que precisamos implantar, para tornar o mercado mais inclusivo?

É simples, esse é um exemplo claro de como a cobrança por posicionamento pode mudar o cenário do mercado e a maneira como as empresas trabalham.

Pensando nisso, trouxemos algumas dicas de como você, diretor, gestor, colaborador, consumidor e etc., podem contribuir para um mercado mais inclusivo:

1.       Conheça melhor seus fornecedores:

Você, colaborador ou gestor de uma empresa, com certeza precisa de outras pessoas para realizar seu trabalho.

Podendo ser desde o fornecedor de matéria prima, até mesmo a loja de papel sulfite.

Ao conhecer melhor seus fornecedores, consequentemente você também saberá com quais causas eles são ou não comprometidos.

A loja de onde vem os materiais que abastecem sua empresa, contratam pessoas com deficiência? Valorizam a diversidade?

Se a resposta for não, com certeza é possível conscientizá-los e motivá-los a respeito da importância de incluírem pessoas.

Apoiar comércios e fornecedores comprometidos com a inclusão também é uma boa maneira de contribuir e dar visibilidade aos exemplos certos.

2.       Saiba quem fabrica o que você consome

Muitas vezes consumimos produtos sem questionarmos:

– De onde veio?

– Como ele afetou outras pessoas?

– Quem fabricou e em quais condições?

O conhecimento a respeito da ética das empresas também é uma boa maneira de contribuir com a inclusão.

As empresas estão atentas as demandas de seus consumidores, quanto mais conscientes eles estão, mais elas terão de correr para se adequar ao padrão exigido pelos clientes.

3.       Dê feedbacks!

É possível que uma empresa ainda não esteja atenta a necessidade e importância de ser inclusiva, por isso o seu feedback pode fazer toda a diferença!

Com as redes sociais ficou ainda mais fácil entrar em contato para perguntar “qual o posicionamento de vocês com relação as pessoas com deficiência”?

Como já dissemos, o feedback dos consumidores acelera a evolução do mercado, a voz de cada um é importante e tem muito poder.

4.       Consuma conscientemente

Saber quem são seus fornecedores, quais são as políticas de uma determinada marca, se eles possuem um programa de diversidade e inclusão etc., pode abrir seus olhos para a necessidade de consumir com consciência.

Afinal, se determinada marca não vai de encontro com o que você considera importante, porque continuar consumindo?

Comprando de locais que são humanos (ou seja, que não trabalham apenas visando o lucro, cooperando com o império de negócios misóginos, preconceituosos e fechados) você valoriza as boas práticas que precisam ser reproduzidas.

É possível se espelhar em quem está caminhando no rumo certo para construir um mercado de trabalho para todos, onde não existem diferenças e preconceito.

Podemos começar nos atentando para nossas próprias ações. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *